Cadernos de Comunicação e Linguagem V. 1 N.º 1

8,00 

No Editorial, Alexandre Frey enuncia os objectivos da publicação; segue-se uma secção de educação e investigação clínica, também a seu cargo no presente número, na qual se apresenta a casuística de maus leitores da Clínica de Serralves em 2005-2006, com destaque para os disléxicos, defendendo o autor uma abordagem individualizada do disléxico em equipa interdisciplinar, tanto ao nível da avaliação como da intervenção; as secções de Avaliação e de Intervenção na área da Comunicação e da Linguagem estão representadas por três artigos cada: assim, Eva Antunes e Joana Rocha tecem considerações sobre o desenvolvimento fonológico e os desvios da fala no português europeu; Simone Hage e Márcia Grivol caracterizam os resultados que obtiveram com uma prova de memória de trabalho fonológica, e Inês Gomes, São Luís Castro e Susana Caló apresentam duas provas – de memória de dígitos e de memória de frases – que parecem ambas muito pertinentes na avaliação neuropsicológica; Fábio Pinheiro, Cristiane Nunes e Simone Capellini propõem um programa de treino auditivo de que mostram resultados promissores nas dificuldades de aprendizagem; Daniela Vieira e Eurico Monteiro revêem uma casuística de pacientes com sequelas de cirurgias de tumores da cabeça e do pescoço que foram sujeitos à intervenção da terapia da fala; Lurdes Morim, Joana Rocha e Alexandre Frey procuram sistematizar, a partir dum caso, de que consta a intervenção da terapêutica da fala na esclerose lateral amiotrófica; o número conclui com uma secção de Ponto de Vista, na qual Mário Pinto enaltece o valor do idioma pátrio no ensino do jornalismo.